sexta-feira, 4 de julho de 2008

A arte de prever o imprevisível

Pois é, mais um semestre chega ao fim e muitos ''sábidões'' do futebol, como o que vos escreve, não acertou praticamente nada do que disse no início da temporada. Tudo bem que o vencedor do Paulistão ainda acertei, mais confiante no trabalho do treinador do que no próprio time.

Agora, na Copa do Brasil, poucos apostariam suas fichas no atual campeão; o time de Carlinhos ''vidente'' Bala fez uma campanha sensacional, batendo inclusive os principais favoritos. Torço pra que faça o mesmo ano que vem na Libertadores.

Já na Eurocopa apostei nas seleções tradicionais: França, Holanda ou Portugal de Felipão e Cristiano Ronaldo, mas....deu no que deu. Quem falasse de Rússia ou Espanha como possíveis campeões seria motivo de chacota. Não que a Espanha fosse fraca, porém sua fama de amarelona era contra qualquer prognóstico favorável. Aliás existiu torneio em que tantas equipes foram verdadeiros ''cavalos paraguaios'' como nesta Euro? Primeiro a incrível Holanda junto a um Portugal confiante, depois a valente Turquia, mais tarde a surpreendente Rússia, seguida da copeira Alemanha, falso alarme; o título ficou com a fúria, que não era Fúria à 40 anos.

Na libertadores os favoritos eram o São Paulo, Boca Jrs., Flamengo, Cruzeiro, e o Fluminense correndo por fora. Contudo o ótimo Fluminense bateu todos os ''feras'' para ser derrotado em casa por uma equipe mediana como a LDU, que mostrou para os cariocas que confiança em excesso é extremamente prejudicial.

Previsões furadas, prognósticos mal-sucedidos, esse semestre foi exatamente por isso surpreendente e de boa qualidade. Realmente, se jornalista dependesse de acertar palpites iriam todos morrer de fome. Já penso em literalmente plantar batatas, pois quanto mais conheço mais erro, é incrível a imprevisibilidade do velho esporte bretão. E nós, teimosos, insistimos em dar nossos pitacos que geralmente dão errado. É nossa cruz aprender, assistir, conhecer e nem por isso acertar. Graças à Deus nosso esporte favorito pode ser tudo, menos óbvio!

2 comentários:

Renato Cordoni disse...

Excelente texto Tiago!!!

Realmente, palpites furados estão virando minha especialidade! Também fui certeiro no Campeonato Paulista e acreditei no final do jejum alvi verde até o fim. Porém, achei que o mesmo Palmeiras que saira da fila no estadual levaria a Copa do Brasil, daí meu primeiro capote, queimei a lingua com a pimenta pernambucana.

Na Libertadores aposteio desde o início no Fluminense do arrogante Renato Gaúcho, deu no que deu, três penaltis desperdiçados e vexame no Maracanã, LDU campeã, quem apostaria nisso? nem mesmo os próprios equatorianos!

Na Euro eu dizia que a final seria entre Portugal e Holanda, ambas não chegaram nem as semifinais! Que feio jornalista! você que se diz especialista! É amigos, ainda bem que não ganhamos nosso salário por palpites, senão... teria de fazer outra coisa pra ganhar a vida!!!

Melhor ainda, sorte a minha por ser apenas um estudante de jornalismo, tenho muito que aprender antes de sair dando meus pitacos por aí!!!

Paulo disse...

Isso é o futebol. Imprevisível. E acima de tudo, maravilhoso!