domingo, 1 de junho de 2008

Argentinos, brasileiros e mosqueteiros

Em 2005, o Corinthians foi campeão brasileiro, e teve como principal destaque em seu elenco o argentino Carlitos Tevez.

Com os investimentos da MSI no clube do Parque São Jorge, Carlitos Tevez veio para ser o camisa 10 do time. A argentino veio com respaldo e excelente currículo. Ídolo do Boca Junior, campeão da Libertadores da América de 2003 e campeão olímpico pela seleção Argentina, Tevez foi contratado por US$ 20 milhões, e a atenção de todos ficou voltada para o “El Pibe da Fiel”.

Após essa contratação, que foi a mais alta em termos financeiros no Brasil, torcedores dos arqui-rivais do Timão começaram a provocar, e querer desvalorizar a contratação de Carlitos Tevez pelo Corinthians. Comunidades no site de relacionamentos Orkut, criados por torcedores dos times rivais, são um exemplo disso. Algumas dessas comunidades são : “Rogério faz mais gols que Tevez”, “Tevez?? Obina humilha” e “Grafite melhor que Tevez” são alguns exemplos de comunidades do Orkut feitos por torcedores dos times rivais do Corinthians. E confesso, algumas dessas comunidades são bem engraçadas.

Estamos em 2008, portanto, quase três anos se passaram após àquela conquista do Campeonato Brasileiro de 2005 pelo Corinthians, que resultou no prêmio Bola de Ouro para Carlitos Tevez, por ter sido o melhor jogador do campeonato nacional. Muitas coisas mudaram.

Agora, Tevez está no Manchester United, e acabou de conquistar a UEFA Champions League, em uma final dramática contra o Chelsea. A MSI não está mais no Corinthians, e o presidente Alberto Dualib, também não. O Timão não está na série A, e tão pouco tem tanto poder aquisitivo como tinha em 2005 para contratar jogadores. Entretanto, uma coisa parece não ter mudado : a combinação “centroavante argentino + Corinthians = sucesso”.

Diferente de Carlitos Tevez, German Gustavo Herrera foi contratado pelo Corinthians não para ser o astro principal do elenco, e sim, para ser apenas um coadjuvante na equipe alvinegra. Com apenas 2 gols em 34 jogos na temporada de 2007, Herrera chegou ao Timão com um apelido que lhe foi dado na Argentina (apelido aliás nada convencional e satisfatório!) : “Quase-Gol”. Assim era chamado Herrera na Argentina, por seu desempenho pífio nas últimas 34 partidas que disputou.

Mesmo com boa parte da imprensa esportiva, e da própria torcida corintiana, não acreditando no sucesso de Herrera no Timão, as coisas aconteceram de maneira diferente. A velha fórmula “centroavante argentino + Corinthians” quebrou os paradigmas provisórios em relação ao centroavente Herrera, e algo que ninguém esperava aconteceu. O uruguaio Acosta começou decepcionando nas primeiras partidas pelo Timão, o que possibilitou a German Herrera oportunidades na equipe titular montada por Mano Menezes.

Após algumas partidas no time titular, Herrera começou a fazer gols, e conquistar o coração da fiel torcida. O argentino é o artilheiro alvinegro na temporada, com 11 gols, e em 4 partidas na Série B do Brasileirão, marcou 4 gols. Se alguém duvidava da simpatia do torcedor corintiano pelo argentino, deixou de duvidar nessa última partida do Corinthians, na qual o torcedor do Timão vibrou na arquibancada após ver Herrera se aquecer para entrar na partida, e marcar o segundo gol contra o Fortaleza.

German Herrera não foi contratado por US$ 20 milhões, não veio com o mesmo currículo de Tevez, mas já dá claros sinais que também cairá nas graças do torcedor corintiano. Seja na Série A do Brasileirão, ou na série B, sempre haverá um hermano corintiano marcando gols nos adversários.

Em uma definição mais simplista e clara, se a Série B do Brasileirão é o “primo-pobre” da Série A, German Herrera é o centroavante “primo-pobre” da Argentina jogando pelo Corinthians, se comparado a Carlitos Tevez.

2008: Destaque na Série B

2005: Vencedor do Bola de Ouro


Corintianos Argentinos: Em 2005, a Revista Placar destacou o sucesso de um argentino no Brasil. Quase três anos depois, outro argentino ganha destaque.

5 comentários:

Rodolfo Fonseca disse...

Não há dúvidas que Herrera cairá nas graças da fiel torcida.
Ele tem um espírito futebolístico visto em poucos jogadores. Sua gana, vontade e determinação naquilo que faz é notório dentro de campo. Com um futebol humilde e simples, porém eficiente, o argentino será destaque da série B.

Renato Cordoni disse...

Como sempre, ótimo texto Paulo. Sobre o Herrera, é um jogador de muita raça e determinação, está na equipe certa, o Corinthians. Com certeza ainda dará muitas alegrias a sua torcida.

Tiago Pereira disse...

Texto excelente, já o personagem dele...tenho minhas dúvidas.Não nego que o argentino Herrera tenha atuado de maneira satisfatória e tem dado graças aos corintianos.Porém fico em dúvida se Herrera conseguiria sair-se tão bem contra adversários da Série A, já que seu desempenho no Paulistão deixou a desejar.Tudo bem a Copa do Brasil tem times da série A, mas essa dúvida só poderá ser tirada mesmo ano que vem, quando o timão retornar a elite.

Renato Cordoni disse...

Tiago, dessa vez discordo de você. O time do Corinthians no Paulistão jogava de forma diferente e não estava tão acertado quanto está agora. Esse era o motivo da má atuação do Herrera, Mano Menezes sabe como utiliza-lo no seu time.

Patrícia Gomes disse...

Também vou discordar do Tiago. Não se pode pegar como base o paulistão, pq essa competição apenas serviu para o Mano preparar a equipe para as demais competições. Como o Timão vez muitas contratações, essa foi a punica maniera do Mano usar esses jogadores para ir montando um bom elenco.

Agora q esse time tem a cara do Mano, os jogadores passaram a render mais.

E quanto ao Herrera, eu tbm fui uma das pessoas q mais pediu a cabeça do argentino. Mas não há como negar a raça q ele demonstra em campo.